«

»

jun 08 2012

Imprimir Post

Protocolo OSPF – parte 6

Olá Pessoal,

  Conforme mencionado anteriormente vamos prosseguir com nosso tutorial sobre OSPF. No último post havíamos falado sobre LSA e nesse post vamos tratar sobre os processos que acontecem quando temos eleição de DR e BDR em topologias de multiacesso.

  Basicamente, routers que compartilham um mesmo segmento tornam-se neighbors neste segmento. O estabelecimento de uma relação de vizinhança ocorre por meio da mensagem “ Hello ”. Os roteadores tornam-se vizinhos assim que conseguem ver eles mesmos listados como vizinho no pacote Hello do router vizinho. Desta forma, uma comunicação de 2 vias é garantida. É importante ressaltar que a negociação de vizinhança utiliza apenas o endereço IP primário da interface, ou seja, se a mesma estiver configurada com endereços secundários, estes não serão utilizados no processo. Outro detalhe é que, se endereços secundários forem configurados, estes devem pertencer à mesma área OSPF do endereço primário.

Para a configuração de endereço secundário na interface devemos seguir esse processo:

ip address 10.1.7.252  255.255.255.0 secondary
ip address 10.1.2.252  255.255.255.0

  Os roteadores para formar a adjacência entre si, exige que alguns parâmetros sejam validados:

  • Area-ID: Para 2 routers que possuem interfaces em um mesmo segmento, estas interfaces devem pertencer à mesma área OSPF, pertencer à mesma subrede e possuir a mesma máscara de rede.
  • Autenticação: Se autenticação estiver sendo utilizada, routers vizinhos devem trocar a mesma senha em um dado segmento.
  • Hello e “ Dead Intervals ”: Routers OSPF trocam mensagens Hello em cada segmento. O Keepalive HELLO configurado deve ser consistente em um mesmo segmento. O “ Dead Interval ” seria o intervalo de tempo entre o último pacote HELLO recebido e o router considerar o neighbor como “ down ”. Este intervalo também deve ser o mesmo em um mesmo segmento OSPF. Os comandos para configuração destes intervalos nas interfaces são: “ ip ospf hello-interval seconds ” e “ ip ospf dead-interval seconds ”
  • “ Stub Area Flag ”: Dois routers devem também possuir o mesmo valor no campo “ Stub Area Flag ”, no pacote Hello, para formarem uma relação de vizinhança.
  • MTU Size: Finalmente, temos o MTU Size das interfaces. Se estes valores forem diferentes em cada ponta, a adjacência não será formada.  Se por algum motivo existir a necessidade de estabelecer a adjacência mantendo-se MTUs distintas em cada ponta, o comando “ ip ospf mtu-ignore ” configurado em cada interface envolvida no processo resolve o problema. 

 A adjacência é o processo de formação que ocorre imediatamente após a definição das relações de vizinhança. Roteadores adjacentes são aqueles que foram além da simples troca de pacotes HELLO, e iniciaram o processo de sincronismo da base de dados. Com o objetivo de reduzir a quantidade de informação trocada em um dado segmento, OSPF elege um router para ser o router designado ( Designated Router – DR ), e outro para assumir o papel de backup dele ( Backup Designated Router – BDR ), em cada segmento multi-acesso ( como segmentos Ethernet, por exemplo ). A idéia por trás deste princípio é criar um ponto central na rede multi-acesso para troca de informações.

  As atualizações entre o DR e BDR são divulgadas através de um endereço multicast diferente do endereço que é utilizado para divulgação do tabela de roteamento ( LSDB ). O endereço multicast utilizado nesse segmento é 224.0.0.5. A definição de obter DR e BDR seria a redução de informações trocadas, pois utilizamos um cálculo básico para verificar no caso a crescente de adjancências entre os equipamentos.

n ( n-1 ) / 2

n = quantidade de roteadores no mesmo segmento

   Veja pela figura como seria a adjacência:

  A eleição do router DR é feita pelo pacote HELLO. Pacotes HELLO são trocados entre os routers via multicast, em cada segmento. O router que tiver o maior OID (OSPF ID) em um segmento é eleito o DR para aquele segmento. O mesmo processo é realizado para a eleição do BDR. Em caso de empate, o router com maior RID (Router ID) vence a disputa. A prioridade default para uma interface OSPF é 1. Este valor pode ser alterado pelo comando: “ ip ospf priority “. Uma prioridade “ 0 ″ significa que a interface em questão não será considerada no processo de eleição do DR / BDR.

  Quando não temos a configuração de nenhuma loopback nos roteadores a eleição de DR e BDR é feita através dos endereços IPs configurados nas interfaces físicas, não esquecendo que teremos que considerar os endereços mesmo não pertencendo aquele mesmo segmento que está ocorrendo a validação.

  Como mencionado sobre a adjacência temos alguns passos que são executados para a validação desse neighbor. Segue abaixo os 7 passos:

  De que forma você pode avaliar a adjacência de seus vizinhos bem como o status de DR e BDR, seria através do comando ” show ip ospf neighbor

Router2# show ip ospf neighbor 

Neighbor ID     Pri    State      Dead Time    Address     Interface
192.168.45.1    1      FULL/DR    00:00:36     10.0.0.1    Ethernet0

  Com isso podemos mencionar que o OSPF em links ponto a ponto sempre irá  formar adjacências entre eles, entretanto sem a necessidade de eleger um DR e BDR. Um cuidado especial é necessário quando configuramos OSPF em redes NBMA, como Frame Relay, X.25 ou ATM. Por default, OSPF considera estes redes como Broadcast  (assim como uma rede Ethernet ). No entanto, redes NBMA geralmente são arquitetadas sob uma topologia “ hub & spoke ”, e não provê o tipo de acesso full mesh que OSPF acredita existir. Neste caso, a seleção do DR e BDR torna-se um problema, já que o DR e o BDR precisam ter uma conexão física entre eles. Além disso, devido à limitação de broadcast existente em redes deste tipo, o DR e o BDR precisam possuir uma lista estática de todos os roteadores pertencentes à rede frame relay.

  Alguns pontos podem ser utilizados para evitar a eleição de DR e BDR em acesso NBMA, como a criação de sub-interfaces point-to-point e a configuração do tipo de interface dentro da configuração de interface ( broadcast | non-broadcast | point-to-multipoint ).

 Espero que aproveitem as informações Laughing e fica a dica para nosso próximo post que seria voltado para a sumarização do OSPF, enfim o último post falando sobre os cálculos que OSPF utiliza para obter o custo e popular esses valores na tabela de roteamento.

  Espero comentários.

Abs,
Rodrigo

Posts relacionados:


0
0

Link permanente para este artigo: https://ciscoredes.com.br/2012/06/08/protocolo-ospf-parte-6/

2 comentários

  1. Everton

    Ótimos posts sobre OSPF Rodrigo, acabo de ler toda série.

    0

    0
    1. Obrigado Everton. Ainda pretendo fazer mais dois post sobre OSPF para finalizar a série.

      0

      0

Deixe uma resposta